Jurídico

1. Definição da atividade e leis aplicáveis.


O objetivo destas Condições Gerais de Contrato é regular as relações contratuais entre a Ship Quik, S.L. e os clientes, e será aplicável e a eles qualquer pessoa singular ou jurídica que contrate com o operador. As seguintes referências e regras aplicar-se-ão, portanto, à atividade e serão subsidiárias destes GTC:
 
1.1 Ship Quik, S.L. é uma empresa comercial domiciliada em Passatge d’Europa, 14º andar, AD500 Andorra la Vella, constituído de acordo com a legislação deste país, e registado no Registo Mercantil de Andorra em 29/01/2021 com o Número de Registo: 19876, Livro: S-317, Folio: 261-270 e, portanto, sujeito à principal lei. A atividade da empresa é a da Operadora de Transportes, da forma definida na Lei do Principado de Andorra, nº4/2015 de 15 de janeiro sobre o transporte de mercadorias, que prevê e autoriza atividades de mediação nos transportes, independentemente da sua modalidade, dentro ou fora do estado de Andorra, e chama o mediador de Transportes. A empresa dispõe das necessárias autorizações administrativas para o desenvolvimento da sua atividade.  

A atividade empresarial do operador é dotar os clientes de uma gama de diferentes empresas de transporte, organizadas e localizadas na sua base de dados, para que o cliente possa escolher qual delas melhor se adequa às suas necessidades de transporte; na perspetiva da Lei dos Transportes, trata-se de uma atividade de mediação contemplada e definida na própria base de dados. O Operador tem aberto e possui um portal Web como um instrumento através do qual o contrato de transporte é feito. O endereço do portal https://ship-quik

1.2 Outras  Leis Aplicáveis.   
 
Como a contratação é realizada através de um Site, a Lei 20/2014 sobre “Contratação eletrónica e operadores que desenvolvam a seva económica activitat em espaço digital” será aplicável.
Muitos dos clientes da Ship Qik, S.L. serão consumidores. Assim, é lógico contemplar e submeter-se ao “Llei 13/2013, de 13 de junho de Concorrência Efetiva e defesa do consumidor”, especialmente ao que está legislado no seu Título IV.
A referência ao Llei 15/2003, de 18 de dezembro, sobre a proteção dos donativos pessoais é uma referência obrigatória para estabelecer a forma de tratamento dos dados pessoais dos clientes e para estabelecer os canais de comunicação adequados para que possam exercer os seus direitos.

2. Definição de termos.


Nestas Condições Gerais de Contrato são utilizados os seguintes termos com o seguinte significado:
 
·      Operador logístico/operador detransporte: intermediário que, em nome do cliente, facilita o contrato de transporte entre este e a transportadora real; nestes GTC está a Ship Quik, S.L.
 
·      Transportadora outransportadora: empresa que efetivamente efetua o transporte, recolhe as mercadorias das mãos do expedidor ou do expedidor, e compromete-se a entregar o envio ao destinatário no destino. Também chamado de portador eficaz. 
 
 
·      Envio: pacote ou pacote feito pelo cliente, ou pelo expedidor, ou pelo expedidor e entregue à transportadora para transporte e entrega ao destinatário.
 
·      Envio internacional: um que tem a sua origem e destino em diferentes estados.
 
·      Cliente: O cliente é entendido como a pessoa singular ou jurídica que tem a necessidade de transportar um envio de um local para outro e contrata a intervenção de uma transportadora através do portal da Ship Quik, S.L;consequentemente é a contraparte do contrato de mediação com a Logística ou Operador de Transporte com a transportadora efetiva. O cliente pode acumular o carácter do expedidor, expedidor, importador, exportador ou destinatário.
 
·      Carregador: Quem contrata a intervenção do operador e o transporte como interessado; normalmente equivale ao cliente.
 
·      Carregador: Quem entrega fisicamente as mercadorias à transportadora no local onde o transporte começa; normalmente é o cliente ou o expedir.
 
·      Destinatário: Pessoa designada pelo cliente a quem a transportadora deve entregar o envio.
 

3. A contratar com clientes.


3.1 O Operador chegou a acordos com as diferentes empresas de transporte (transportadoras) que oferece no seu Portal Web,  de modo a realizar materialmente o transporte das transferências dos clientes do Operador. A atividade do Operador é canalizada através de uma aplicação informática (website) de elaboração própria, que disponibiliza ao cliente as diferentes empresas de transporte para que sejam escolhidas pelo cliente de acordo com o preço do frete, as características do envio e a disponibilidade horária ou a facilidade de origem e destino. Através da mesma aplicação de computador, a escolha feita pelo cliente é comunicada à transportadora e contacta diretamente o cliente para recolher o envio e transportá-lo para o seu destino. O operador também rastreia o carregamento. O programa em si produz as etiquetas mínimas necessárias (cliente e destinatário) para que o cliente adira ao envio de forma visível. É o Operador que produz a fatura ao cliente; e é também aquele que paga a transportadora. O pedido de serviço de transporte e a sua conformidade nos termos do WP comprovam a celebração de um contrato de transporte com a empresa escolhida pelo cliente e a sua conformidade com estes GTC.
 
3.2 As transportadoras que colaboram com a Ship-Quik podem variar.
 
 
3.3 Para garantir uma melhor utilização do website, recomenda-se a utilização dos seguintes navegadores:
Google Chrome
Opera
Mozilla Firefox
Microsoft Internet Explorer
Safari de Maçã
 
3.4 O preço do serviço é preparado e comunicado ao cliente através da mesma aplicação informática no momento em que recebe as diferentes características do envio.  O preço deve ser pago através do WP no momento em que o Operador tenha aceite a encomenda, por qualquer dos seguintes meios de pagamento:
 
Cartão bancário de crédito ou débito, Visa, Mastercard, American Express, Dinners Club, Google pay, Bizum..
 
3.5 O cliente pode ser qualificado como VIP, quando se chegar a um acordo de negócios personalizado com a Ship-Quik.
 
3.6 O cliente VIP não será aplicado ao pagamento por expedição, mas por liquidação e fatura no dia 5 de cada mês, que irá satisfazer o custo das remessas efetuados durante o mês anterior.
Dependendo da qualificação, o Cliente VIP terá bónus no preço dos serviços.
 
3.7 O Operador só reconhece direitos à pessoa que tenha sido aceite e agida como cliente, independentemente de quem seja o proprietário dos bens e que detenha o direito de os alienar ou que tenha direito a ser indemnizado.

4. Apresentação e Limitações a mercadorias para transporte.


4.1 A Ship Quik, S.L. é um operador de logística intermediária no transporte internacional de encomendas.
 
Todas as remessas devem cumprir as características e limitações que cada transportadora estabeleceu para envios: dimensões, peso e volume; por essa razão, pede-se ao cliente as características da expedição para facilitar a empresa transportadora que aceita essas características.  
–        
4.2 Salvo autorização expressa do operador, nenhuma das seguintes mercadorias pode ser objeto de uma expedição:
 
–       Aerossóis.
–       Animais, vivos ou mortos.
–       Armas, espingardas de ar comprimido, réplicas de armas, munições.
–       Itens perecíveis.
–       Artigos Proibidos pela Organização da Aviação Civil Internacional.
–       Artigos roubados ou adquiridos ilegalmente.
–       Bilhetes de loteria ou bilhetes.
–       Qualquer tipo de bateria.
–       Dinheiro/moedas/dinheiro/cheques/moedas/moedas falsas.
–       A mobília.
–       Remoção e afins.
–       A mobília.
–       Bagagem que não esteja devidamente embalada numa caixa ou amarrada para proteger as pegas e as rodas das malas.
–       Explosivos / Foguetes.
–       Extintores de incêndio.
–       Joalharia, metais preciosos, notas, títulos ao portador, ouro ou prata e outros valores.
–       Obras de arte, culturais ou de grande interesse para o património nacional.
–       Cadáveres e restos humanos.
–       Narcóticos e substâncias psicotrópicas, qualquer tipo de droga.
–       Materiais explosivos (incluindo munições inertes ou em branco), radioativos inflamáveis (álcool, perfume) radioativos ou corrosivos. (Em geral, a regularização da ADR).
–       Objetos que, pela sua natureza ou embalagem, possam representar um perigo para os transportadores, para o chão, para o resto das mercadorias ou que possam causar outros danos durante o transporte.
–       Produtos contrafeitos.
–       Material radioativo ou corrosivo.
–       Medicamentos (incluídos com receita médica).
–       Mercadorias perigosas e produtos ilegais no comércio.
–       Amostras biológicas.
–       Pneus ou aros dos pneus através das empresas de transporte Zeleris e/ou CBM.
–       Obsceno ou imoral.
–       Passaportes / Carta de Condução / Licenças / DNI / Cartões de crédito.
–       Pornográfico.
–       Peças sobressalentes ou componentes de qualquer tipo de maquinaria industrial.
–       Selos de coleção.
–       Substâncias tóxicas e inflamáveis.
–       O tabaco.
–       Artigos proibidos nos Serviços Air/Express:
–       Bebidas alcoólicas (cerveja, vinho, bebidas fermentadas, bebidas espirituosas, intermediários).
–       Álcool etílico (puro ou contido noutros produtos).
–       Combustíveis, combustíveis, óleos minerais, lubrificantes.
–       Elementos isentos de indemnização/sinistro:
–       Mobiliário com mais de 40 kg de peso, real ou volumoso, tendo em conta o maior dos dois. Eles só terão compensação se forem embalados em um quadro de
–       madeira completamente fechada em cima de uma palete, se forem enviadas sem esta proteção a responsabilidade é exclusivamente do expedidor/cliente.
–       Peças sobressalentes para motociclos e automóveis ou qualquer veículo terrestre, marítimo ou aéreo (carroçaria, janelas, portas, pneus…)
–       Artigos que contenham ou sejam inteiramente feitos de vidro, vidro, espelho ou derivados.
–       Artigos que contenham ou sejam inteiramente feitos de porcelana, cerâmica ou derivados.
–       Todos os dispositivos eletrónicos/informáticos que não sejam enviados na sua embalagem original.
–       Produtos não embalados ou subembalados
–       TV acima de 32″
–       Plantas e Sementes.
–       A mobília.
–       Remoção e afins.
–       Artigos que contenham ou sejam inteiramente feitos de porcelana, cerâmica ou derivados.
–       Minerais e rochas (mármore, ardósia, granito, quartzo, argila, etc.).
–       Antiguidades: objetos fabricados com uma data igual ou superior a 50 anos. Artigos tecnológicos com data igual ou superior a 20 anos.
 
 
As consequências do incumprimento da proibição acima referida são da responsabilidade do cliente, quer tenha operado como expedidor, como expedidor ou como destinatário. Esta violação permitirá à transportadora e/ou ao Operador imobilizar a mercadoria onde se encontra, cobrar ao cliente e faturar os custos de retenção, depósito, multas, avaliação, intervenção aduaneira, e quaisquer outras que acumulem devido à sua culpa, incluindo a responsabilidade por danos a terceiros,e caso o cliente não as assuma,   destruí-los   ou  leiloá-los.
 
 
4.3 Embalagem e rotulagem.
 
O cliente é responsável por enaquecer os envios são devidamente embalados e rotulados. O Operador – e a transportadora efetiva – reserva-se o direito de recusar mercadorias se, na sua opinião, a embalagem ou rotulagem for insuficiente ou inadequada ao tipo de transporte a que a transferência deve ser submetida.
 
 
4.4 Documentos que devem acompanhar as mercadorias
 
Nas transferências domésticas não é obrigatório acompanhar outros documentos à mercadoria; se forem obrigados quando se trata de um transporte internacional.
O transporte marítimo internacional é entendido como aquele que tem a sua origem e destino em diferentes estados. O Cliente deve assegurar quais são os requisitos para a entrada e saída de envios dos estados de origem, destino e trânsito, dependendo do conteúdo da expedição; e acompanhá-lo com os documentos necessários para o seu transporte, o cumprimento dos procedimentos aduaneiros e de segurança. Nem o operador nem a transportadora efetiva serão responsáveis por uma declaração insuficiente ou errónea e, se estiverem sujeitos a multas ou imposições, quaisquer despesas serão repercutidos no cliente. A mercadoria é o garante das dívidas geradas.  

5. Responsabilidades do Operador


5.1 Nos termos do artigo 90.2 da Lei n.º 4/2015, de 15 de janeiro, relativa ao transporte rodoviário, o Operador deve contratar o transporte em nome próprio ou em nome de terceiros. Se o fizer em seu próprio nome, assumirá a responsabilidade da transportadora real ao cliente e ao cliente da transportadora. Se o fizer em nome de terceiros – o cliente – entender-se-á que não assume responsabilidade nem para com a transportadora nem com o cliente, atuando como um mero agente de comissão sem responsabilidade pelos riscos de transporte. Por defeito e salvo indicação expressa em contrário, o operador contrairá sempre em nome do cliente e, portanto, sem responsabilidade pelo risco de transporte, mesmo que os documentos de transporte possam identificar o operador como expedidor,
 
5.2
Quando o Operador contratar em nome do Cliente, o Cliente   será responsável por danos, perdas ou atrasos na entrega das mercadorias quando as causas do acidente forem imputáveis ao comportamento intencional ou negligente do Operador. Noutros casos, estabelece-se a ligação de responsabilidade entre a  transportadora real e o cliente.
 
Se, excepcionalmente, o Operador  tiver contraído em nome próprio, e houver danos, perdas ou atrasos na entrega das mercadorias, o Operador assumirá a mesma responsabilidade para com o cliente que a transportadora real contra o operador, mas nunca maior do que esta. O pedido de indemnização é qualitativo e quantitativamente limitado pela lei – nacional ou internacional – aplicável ao modo de transporte durante o qual ocorreu o incidente. Se esse momento não puder ser estabelecido, aplicar-se-á a regra de transporte mais benéfica para o lesado. Presume-se que a entrega ao destinatário em que não existam reservas será feita em condições corretas.
 
5.3 Nos termos aqui estabelecidos, o Operador ficará sujeito a quem, em aplicação da Lei e destes GTC, seja o cliente, e também justifique os danos sofridos pelo incidente, ou a sua subrogar legal ou documental; e não a qualquer outra pessoa.
 
5.4 Quando os incidentes que causaram danos, perdas ou atrasos resultem de uma decisão ou procedimento das autoridades aduaneiras – na origem ou no destino – nem a transportadora efetiva nem o operador terão qualquerresponsabilidade. Se, em relação às autoridades aduaneiras ou a terceiros, a transportadora ou o operador se tornarem responsáveis por qualquer motivo, a dívida será transmitida ao cliente.
 
5.5 Declaração deespecial interesse na entrega. Os danos resultantes de um acidente ocorrido durante o transporte não são compensados. Se o cliente desejar que sejam, deve fazer uma Declaração de Interesse Especial na entrega, o Operador aceitá-la expressamente, gerar uma sobrepressão para este conceito que será evidenciado na fatura, e estabelecer o limite de compensação; sem a convergência destes quatro elementos, a declaração de especial interesse na entrega, e qualquer pedido de indemnização por danos consequentes inaceitável, não podem ser apreciados.
 
5.6 Declaração de valor: O cliente pode fazer uma Declaração de Valor da expedição com a qual o cálculo da eventual indemnização não terá os limites legais de indemnização, mas de acordo com o valor declarado. Para isso, o Operador deve aceitar expressamente esta declaração de valor, gerar uma sobrepressão para este conceito que será evidenciado na fatura, e estabelecer o limite do valor compensatório; sem a convergência destes quatro elementos, a declaração de valor e qualquer pedido de indemnização acima dos limites legais, inaceitável, não podem ser apreciados.
 
5.7 O Operador tem a sua responsabilidade civil coberta por uma apólice de seguro que cobre as suas responsabilidades legais e indemnizações, quando são devidas.
 
O Operador disponibiliza ao seu cliente a contratação de um Seguro de Indemnização de Danos à Mercadoria, para que os riscos do transporte possam ser cobertos. O cliente deve instruir o Operador a este respeito, pagar o prémio correspondente e indicar o nome do beneficiário; caso contrário, esses danos não serão cobertos.
 
5.8 A menos que tenha sido expressamente acordada uma data de entrega do envio ao destinatário – condição que deve ser por escrito e aceite pelo operador – os prazos de entrega das remessas serão regidos pelas regras aplicáveis a cada modo.

6. Impedimentos à entrega


No exercício do contrato de transporte, entende-se que existe um impedimento à entrega quando as mercadorias são confiscadas ou bloqueadas pelas autoridades do Porto, aeroporto ou fronteira, ou pelas autoridades aduaneiras, no local de origem, destino ou em trânsito, ou em qualquer escala. Entende-se igualmente que existe um impedimento à entrega quando o destinatário das mercadorias não estiver localizado, ou os recusar total ou parcialmente, ou quando, sendo necessário, não apresentar o documento de legitimação correspondente ou se recusar a pagar portes ou mercadorias ou quaisquer despesas associadas ao transporte. Nestes casos, o Operador ou a transportadora efetiva notificará imediatamente o cliente que pede instruções e serão atendidos sempre que possível e o ordenante assume as despesas. Na ausência de instruções específicas ou impossibilidade de as cumprir, o transportador ou operador efetivo pode, a seu melhor critério, ordenar a reencaição à origem ou encomendar o seu depósito no local onde se encontram ou noutro local, à custa do cliente ou de quem tiver direito aos bens; ou, promover a sua venda ou leilão ou mesmo abandoná-los no local onde estão localizados ou destruí-los. Em todo o caso, os custos e despesas que acumulem serão suportados pelo cliente, independentemente do direito de alienação dos bens e da sua propriedade.

7. Obrigações do cliente


7.1 Atravésdo ortal P,ocliente deve fornecer ao Operador dados fiáveis sobre a identificação dodestinatário, a natureza, opeso e asmedições dos bens e quem assume o pagamento do frete. O cliente assume e é responsável pela adequação da embalagem, e pela certeza dos dados descritivos da mercadoria, peso, volume, quantidade e marcas dos pacotes. Assumem, em especial, a responsabilidade de declarar a classificação das mercadorias perigosas, incompatibilidades, limitações ou características que possam afetar as mercadorias durante o transporte ou possam afetar outras mercadorias.
 
Nas transferências para os países que dispom de protocolos de segurança específicos para a importação ou trânsito de mercadorias (EUA, por exemplo), o cliente deve antecipar a documentação necessária; o Operador não se responsabiliza pelo cumprimento destes procedimentos, para além da documentação que o cliente fornece.
 
Qualquer dano causado às mercadorias, a terceiros ou aos meios de transporte ou sobretaxas acumulados por violação, irregularidade, imprecisão ou omissão nestas declarações ou avisos, será da responsabilidade do cliente. Da mesma forma, é responsável pelas despesas, atrasos, danos decorrentes da verificação ou inspeção dos dados declarados e/ou da mercadoria, que podem ser acordados pelas autoridades sucessivas ou subcontratadas e/ou transportadoras nos diferentes países através dos quais a mercadoria transita.
 
No caso de a transportadora ou o Operador suspeitarem que a declaração do conteúdo da expedição não responde à realidade, ou de qualquer outra irregularidade, o cliente autoriza-os a inspecionar a embalagem. Se a suspeita não for confirmada, os custos serão suportados pela pessoa que decidiu a inspeção; se confirmadas, as despesas serão suportadas pelo cliente.
 
7.2 Mesmo que seja devido frete, o cliente assume o seu pagamento se o destinatário não o atender. Da mesma forma, compromete-se a pagar ao operador ou à transportadora quaisquer sobretaxas adicionais que tenham sido geradas na origem ou no destino, quer por culpa do destinatário, quer por culpa do expedidor ou expedidor.
 
Em caso de impedimentos à entrega, o cliente é responsável por atender e dar as instruções adequadas para desbloquear a situação, assumir o custo daqueles e, em qualquer caso, assumir os outros que o atraso ou impossibilidade de entrega gera, sejam ocupações, armazenamento ou atrasos, sejam multas, despesas de conservação e/ou destruição. Considera-se que a autorização para a destruição das mercadorias foi concedida quando o incidente foi comunicado pelo Operador ou pela Transportadora, o cliente não respondeu ou deu instruções impossíveis ou não assumiu os custos do incidente.
 
7.3 A transportadora efetiva informará o cliente aproximadamente do dia e hora de recolha das mercadorias a entregar pelo expedidor ou expedidor,devendo estar disponível quando a recolha tiver sido anunciada; se tal não for possível, devealertar a transportadora para determinar uma nova nomeaçãopara a recolha. O incumprimento deste requisito resultará na rescisão do contrato, mesmo antes do início do transporte. 

8. Requisitos


8.1 A menos que a lei aplicável ao contrato indique, ou um termo ou um sistema de cálculo dos diferentes prazos, o prazo de prescrição para as ações de cobrança de mercadorias e despesas inerentes a este contrato, é de um ano e passa a contar três meses a contar a partir da data da celebração do contrato,  ou a partir do dia fixado na fatura como data de pagamento, o que for posterior.
 
8.2 Qualquer ação contra o operador em que a sua responsabilidade pelo transporte seja exigida será igualmente suspensa por ano; nesses casos, o período começará a decorrer a partir do dia em que as mercadorias foram entregues ao seu destino ou deveriam ser entregues.
 
8.3 O prazo para a pessoa com direito à entrega exigir a entrega caducará um ano a contar da data em que a transportadora efetiva o notificou da disposição ou fez o seu melhor para notificá-lo. Após este período, as mercadorias não serão reclamantes, e o operador e a transportadora podem eliminá-las conforme entenderem, sem estarem sujeitas a qualquer procedimento.

9. Proteção dos dados pessoais e da defesa do consumidor


Para cumprir a Lei n.º 15/2003 relativa à Proteção de Dados(ponto 1.4 destes CGA), é de notar que, com a celebração do contrato, o cliente aceita e autoriza o Operador a transmitir e fornecer a terceiros os dados pessoais incluídos no seu contrato para que possam gerir e rastrear as transferências; esses dados serão integrados,  também numa base de dados detida pelo Operador, a fim de contactar novos serviços e promoções. Se o cliente não quiser receber informações e quiser recorrer ao seu direito de cancelamento ou retificação, deverá contactar o Operador através do endereço de e-mail [email protected] ou do próprio plataforma, indicando a sua decisão.
 
Se o cliente for considerado consumidor para efeitos da Lei 13/2013 referida no ponto 1.3 destes GTC, será considerado como tal e a relação contratual estará sujeita aos requisitos da presente Lei, nomeadamente os artigos 23.º e 30.º.   A lei. Mas a Operadora rejeita a intervenção dos tribunais administrativos, seja de mediação ou arbitragem.

10. Jurisdição e Direito Aplicável


A menos que as partes tenham concordado em contrário, um facto que deve ser acreditado por escrito, com a assinatura adequada, e num documento que se refira exclusivamente à alteração, a atribuição da Competência e da Lei aplicável será resolvida em conformidade com as leis processuais ou substantivas em vigor no principado de Andorra, quer de origem nacional quer internacional.

pagos

Enviar um email

    In accordance with current regulations on data protection, by completing the submission form, you authorize ship-quik to process the personal data you provide responsibly.

    You can exercise your rights that are detailed on our pages Legal y/o Cockie policy or sending n e-mail to [email protected] We will keep your data if you do not tell us otherwise

    Copyright - Ship-Quik 2022